Menina desbordada...

Ask me anything   Submit   Neurótica obsessiva por felicidade, música e arte.

twitter.com/samycriistina:

    taobanal:

talvez eu pudesse desenhar as coisas de um jeito que ficasse claro pra você. talvez eu pudesse tentar chorar na sua frente até você sentir, te pedir pra tocar as minhas lágrimas, quem sabe assim. ou talvez eu pudesse de um jeito simples tentar colocar em palavras tudo o que eu queria que. talvez eu pudesse parar de roer as minhas unhas. você sempre me diz que é tudo culpa da minha ansiedade, dessa minha mania de obsessão. você podia usar esmalte vermelho, você me diz, a sua mão é bonita, para de ficar roendo a unha. você tá tentando engolir as suas palavras, você não quer que elas saiam, é por isso, você pergunta, tira a mão da boca, você pede. você pode dizer o que você quiser, você sabe, você não confia em mim?, você pergunta. eu respondo que sim, não com a voz, às vezes eu nem sei como ela soa, mas como a nossa própria voz soa? a gente não sabe como a nossa própria voz soa, porque nós a ouvimos duas vezes: com os ouvidos, e por ecos, dentro da nossa própria cabeça. eu só penso, eu não te digo, eu só balanço a cabeça e sim, sim, eu confio em você, é como se eu dissesse, mas eu não digo nada, eu nunca digo nada. Continue lendo —>
Curta o Tão Banal no facebook, e dê um follow no tumblr

    taobanal:

    talvez eu pudesse desenhar as coisas de um jeito que ficasse claro pra você. talvez eu pudesse tentar chorar na sua frente até você sentir, te pedir pra tocar as minhas lágrimas, quem sabe assim. ou talvez eu pudesse de um jeito simples tentar colocar em palavras tudo o que eu queria que. talvez eu pudesse parar de roer as minhas unhas. você sempre me diz que é tudo culpa da minha ansiedade, dessa minha mania de obsessão. você podia usar esmalte vermelho, você me diz, a sua mão é bonita, para de ficar roendo a unha. você tá tentando engolir as suas palavras, você não quer que elas saiam, é por isso, você pergunta, tira a mão da boca, você pede. você pode dizer o que você quiser, você sabe, você não confia em mim?, você pergunta. eu respondo que sim, não com a voz, às vezes eu nem sei como ela soa, mas como a nossa própria voz soa? a gente não sabe como a nossa própria voz soa, porque nós a ouvimos duas vezes: com os ouvidos, e por ecos, dentro da nossa própria cabeça. eu só penso, eu não te digo, eu só balanço a cabeça e sim, sim, eu confio em você, é como se eu dissesse, mas eu não digo nada, eu nunca digo nada. Continue lendo —>

    Curta o Tão Banal no facebook, e dê um follow no tumblr

    (via caiofernandoabreu)

    — 6 months ago with 16 notes
    visitas